Como evitar se preocupar com o trabalho após o expediente

Planejamento final Não consegue esquecer os problemas do trabalho depois que chega em casa? A solução pode estar em um pouco de planejamento um pouco antes de sair do escritório. É o que garante o professor Brandon Smit, da Universidade do Estado de Indiana, em um artigo publicado no Journal of Organizational and Occupational Psychology. Desligar-se do trabalho Em um estudo sobre a capacidade daspessoas para se desligarem do trabalho, o Dr. Smit observou que a preocupação pós-expediente não é genérica – a maioria das pessoas tem mais dificuldade em se distanciar das tarefas do trabalho que foram sido deixadas incompletas. Ele então orientou um grupo de funcionários a criar planos por escrito para o dia seguinte, especificando como eles iriam concluir as tarefas inacabadas. O resultado foi que o grupo que fez o planejamento no final do expediente, traçando um roteiro sobre o que fazer no dia seguinte, conseguiu se desligar do trabalho e desfrutar melhor de suas noites do que os funcionários que não criaram planos. Planejar o dia seguinte “Se você tem um prazo importante para cumprir, por exemplo, seu cérebro vai ficar lhe cutucando com lembretes, o que torna difícil obter uma pausa do trabalho. Parece que temos a capacidade de ‘desligar’, ou pelo menos ‘diminuir o volume’ desses processos cognitivos planejando onde, quando e como os objetivos serão realizados. “Isto é principalmente verdade para as pessoas que já têm dificuldades em esquecer o trabalho durante o lazer porque seu trabalho desempenha um papel central em suas vidas. Para elas, uma simples mudança na rotina de trabalho, planejando as tarefas perto do fim do dia de...

Grosseria no trabalho é contagiosa

A falta de civilidade no ambiente de trabalho deve ser tratada com a máxima seriedade. Ser submetido à grosseria e rudeza é uma das principais razões para a insatisfação no trabalho. E, o que é pior, o comportamento desagradável se espalha se nada for feito para interromper o ciclo vicioso que ele gera. Esta é a conclusão de três psicólogos da Universidade de Lund (Suécia), que entrevistaram cerca de 6.000 trabalhadores sobre o clima social no local de trabalho. Normas do respeito mútuo A rudeza, ou desrespeito, neste contexto, refere-se a algo que não chega ao limite do que é proibido, mas que, de alguma, forma viola as normas do respeito mútuo. A forma mais tradicional é a grosseria no falar, mas a falta de jeito no relacionamento pode referir-se a um comportamento mesquinho, como excluir alguém do acesso a informações ou a cooperação, ou o “esquecimento” para convidar um colega para um evento comum. Também pode se referir a tomar o crédito pelo trabalho dos outros, espalhar rumores, enviar e-mails com comentários maliciosos ou sutis, ou não dar o crédito aos subordinados. A pesquisadora Eva Torkelson, coordenadora do estudo, destaca que o assédio moral no local de trabalho é um fenômeno bastante bem documentado, ao passo que a grosseria, que corre o risco de se transformar rapidamente embullying não tem recebido a atenção devida. No total, 75% dos trabalhadores entrevistados afirmaram que tinham sido submetidos a grosseria pelo menos uma ou duas vezes nos últimos doze meses. Apoio social Um dos resultados mais surpreendentes é que a causa mais comum para agir de forma rude, grosseira ou antiética, apontada pelos...

Especialista dá dicas sobre postura e saúde no ambiente de trabalho

Trabalhar o dia todo sentado pode trazer problemas graves de saúde aos programadores e outros profissionais de TI. Para prevenir lesões mais sérias, a especialista Maria Luiza Pereira Gutierrez preparou uma série de dicas importantes. Segundo diretora do Instituto de Fisioterapia Analítica, existem dois conceitos de postura. A elegante, que é dada como correta pela maioria das pessoas e a correta, que depende de diversos aspectos para garantir a saúde do profissional. “É preciso fazer com que as articulações trabalhem corretamente e não prestar atenção apenas ao estético. Elas devem funcionar como um carro regulado, todas encaixadas e agindo com perfeição”, diz Maria. Ela afirma que apenas sentar na posição tida como elegante não resolve. É necessário ficar atento às dores e problemas já existentes, que devem ser corrigidas com o tempo. “Quando a pessoa faz a postura correta e sente dor, ela deve ajustar suas articulações com fisioterapia analítica, para que seu corpo possa funcionar direito”. Maria trabalha com Fisioterapia Articular analítica, que trabalha com métodos de de normalização articular manual. O conceito, conhecido como Sohier, chegou ao Brasil há 10 anos e procura melhorar a estabilidade do aparelho locomotor. Confira as dicas para melhorar a postura e a saúde no trabalho: – Ao sentar, a pessoa deve posicionar o tronco em uma posição reta em relação ao encosto da cadeira. Os dois pés devem tocar o chão e as pernas não devem estar cruzadas, isso pode criar desajustes na bacia. Pessoas menores podem usar apoios específicos para os pés. Tente não escorregar para a frente da cadeira com o passar do dia. – Cadeiras giratórias são ótimas opções....

Trabalhar em excesso não significa trabalhar melhor

Há quem diga que trabalhar demais está na moda, ou que dá status profissional. E ainda existem os que batem no peito e dizem: “Estou há mais de três anos sem férias”, como se o fato de trabalhar sem parar fosse positivo. Pois bem, os especialistas dizem que não é. Um estudo realizado na Inglaterra concluiu que trabalhar três horas a mais que normal (de sete a oito horas diárias) expõe a pessoa a um risco 60% maior de desenvolver problemas cardíacos. “Algumas empresas expõem seus profissionais a rotinas de trabalho que, além de serem extremamente puxadas, também são por demais estressantes”, adverte a consultora de recursos humanos e recolocação profissional, Daniela Camargo. Renato Volcano, de 30 anos, financial institutional trader de uma instituição financeira, se considera um workaholic. “Mesmo quando chego em casa depois do expediente, continuo pensando no trabalho, usando o Blackberry e mandando e-mail à 1h da madrugada”, conta. Segundo Volcano, essa rotina se faz necessária devido à demanda do trabalho e ao seu próprio interesse profissional. “Quando você se esforça, colhe os resultados na frente. Porém, o que não pode acontecer é o desequilíbrio, ou seja, fazer com que isso comprometa outras partes da sua vida que, por sua vez, comprometerão também o trabalho”, explica. Quantidade não significa qualidade, mas muitos workaholics não percebem a diferença. Isso porque nem sempre eles conseguem identificar seu próprio vício. Para a empresa, um workaholic pode até trazer benefícios em curto prazo, mas no futuro, com certeza, irá mostrar os problemas de se trabalhar demais. E se você parou alguns minutos da sua rotina para ler este texto e...

Agricultores expostos a agrotóxicos podem sofrer de alergias e câncer

O trabalho na lavoura deixa agricultores expostos ao veneno dos agrotóxicos. De acordo com o agrônomo Rainer Prochnow, eles podem causar “desde alergias e câncer a falência de órgãos em estágio mais avançado. Então depende se o agricultor foi intoxicado por mais de um princípio ativo, a morte pode se dar em questão de horas ou até dias ou meses”. Isso devido ao efeito cumulativo de algumas substâncias presentes nos agrotóxicos, que acabam permanecendo no organismo por um longo tempo. A família da agricultora Roseli de Souza teve quatro integrantes intoxicados. Além dela, dois filhos e o marido sofreram com os efeitos do veneno. O marido acabou morrendo, vítima da intoxicação. Para não expôr a família aos agrotóxicos, Roseli decidiu mudar a lavoura, localizada em Atalanta, no Alto Vale do Itajaí, e cultivar produtos 100% orgânicos, como fez o agricultor Emil Berschinock. Há 16 anos, ele parou de usar agrotóxicos. “Saúde é coisa principal que o agricultor precisa. Se não tiver saúde, ele não pode trabalhar”, afirmou Emil. Fonte: Revista...

Lombalgia é a terceira causa de invalidez em decorrência do trabalho no mundo

As dores lombares são a principal causa de incapacidade no mundo e respondem por um terço dos casos de invalidez provocados pelo trabalho, revelam dois estudos publicados nesta terça-feira (25). Utilizando estatísticas provenientes de 187 países, pesquisadores americanos e australianos determinaram que a lombalgia afeta 9,4% da população mundial, incluindo crianças. Estes resultados situam os problemas lombares na primeira posição das patologias em relação aos anos de vida sofrendo uma incapacidade, destacam os autores dos estudos. As regiões mais afetadas são Europa ocidental, norte da África e Oriente Médio, contra uma menor incidência na América Latina e no Caribe. O problema aumenta com a idade, um fenômeno que seguramente provocará um forte incremento de pessoas com dores lombares em países menos desenvolvidos nas próximas décadas, adverte um dos estudos, publicado nos Anais de Enfermidades, uma revista ligada ao grupo British Medical Journal (BMJ). Outro estudo, realizado a partir das mesmas estatísticas, conclui que as lombalgias também estão na origem de um terço dos casos de invalidez provocada pelo trabalho. Agricultores e pessoas com idade entre 35 e 65 anos formam o maior grupo de risco, na medida que transportam cargas mais pesadas, trabalham em posições “delicadas” ou estão expostos a vibrações. Precisamente, os agricultores têm quatro vezes maior risco de sofrer problemas lombares que as pessoas que trabalham em outros setores. As estatísticas utilizadas nos dois relatórios foram divulgadas na edição 2010 da Global Burden of Disease, um estudo apoiado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para avaliar a mortalidade e a degradação da saúde como consequência das diversas doenças. Fonte: Revista...

Como lidar com colegas de trabalho inseguros?

Se um colega de trabalho solicita frequentemente  garantias de que ele está fazendo um bom trabalho, se gosta de reter informações e não se dispõe a ajudar outros que possam ser vistos como rivais, então você tem um colega de trabalho inseguro. Isto pode atrapalhar não apenas o rendimento da equipe como um todo, mas tornar os relacionamentos insuportáveis. Um bom começo é tentar não radicalizar, entendendo se seus colegas não têm autoconfiança ou se são simplesmente tímidos. Timidez versus insegurança Uma pessoa introvertida normalmente atravessa a jornada de trabalho sem ser notada, enquanto alguém mais inseguro constantemente procura atrair atenção e aprovação. Às vezes, a insegurança pode estar diretamente ligada à área de atuação e ao tipo de personalidade que ela atrai. Alguns setores cultivam funcionários mais apreensivos do que outros, principalmente em posições em que há mais subjetividade na avaliação de desempenho. “Se um programador pode criar um software que comprovadamente funciona bem, ele terá menos chances de ser inseguro do que um escritor ou um artista, cujo trabalho é avaliado segundo preferências pessoais ou coletivas,” exemplifica Ben Dattner, especialista na seleção de executivos. Apreciação e apoio Segundo Dattner, a pior coisa que você pode fazer é deixar colegas inseguros ainda mais apreensivos. “Isso acaba exacerbando a ansiedade deles e induzindo a um comportamento contraproducente. Em vez disso, tente transmitir um apreço genuinamente positivo, começando por dar a eles o benefício da dúvida,” recomenda. Elogie esses colegas quando puder. “As pessoas com pouca autoconfiança precisam de apoio e reconhecimento”, concorda a consultora de carreiras e escritora Charlotte Hagard. Opinião compartilhada por Teresa Amabile, professora da Escola de...

LER/DORT: o que é, como tratar e como prevenir

A sigla LER significa lesões por esforços repetitivos, sendo também denominada como distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho – DORT. São doenças caracterizadas pelo desgaste de estruturas do sistema músculo-esquelético que atingem várias categorias profissionais. Geralmente são causadas por movimentos reincidentes e contínuos com consequente sobrecarga dos nervos, músculos e tendões. O esforço excessivo, má postura, stress, condições desfavoráveis de trabalho também contribuem para o aparecimento da LER. Vale mencionar que as doenças relacionadas ao trabalho têm implicações legais que atingem a vida do cidadão. O seu reconhecimento é regido por normas e legislações específicas a fim de garantir a saúde e os direitos dos trabalhadores. Assim, os chamados “direitos da personalidade” protegem a integridade física da pessoa (artigos 5º, da CF/88 e 11 a 21 do CC/2002), assim como asseguram medidas que reduzam os riscos inerentes ao trabalho, por meio de normas de saúde, higiene e segurança (artigos 7º, XXII, da CF/88, 157 da CLT e NR-17 do MTE). Neste sentido, se o trabalhador perceber sinais de LER deve procurar um médico e paralisar imediatamente as suas atividades. Outro passo importante é dar atenção à ergonomia, melhorando as suas condições de trabalho. Todavia, reconhecida por perícia a doença ocupacional, bem como comprovado o nexo de causalidade (ligação) e a conduta culposa da empresa (caso não adote medidas eficazes para preservar a saúde do empregado), caberá ao trabalhador ingressar com uma Reclamação Trabalhista pleiteando uma indenização por danos materiais e, dependendo da situação, morais. Nesta indenização será analisado se a doença realmente foi oriunda das atividades realizadas na empresa, se ocorreu redução ou incapacidade para o trabalho, se a moléstia tem cura...

Estudo relaciona transtornos mentais com o trabalho

São Paulo/SP – Um estudo da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP) mostrou de que forma os transtornos mentais podem estar ligados a pressões impostas no ambiente de trabalho. Esta é a terceira razão de afastamento de trabalhadores pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). O coordenador da pesquisa, o médico do trabalho João Silvestre da Silva-Júnior, trabalha como perito da Previdência Social há seis anos e, tendo observado a grande ocorrência de afastamentos por causas ligadas ao comportamento, decidiu investigar o que tem provocado distúrbios psicológicos. O cientista notou que a violência no trabalho ocorre pela humilhação, perseguição, além de agressões físicas e verbais e listou quatro razões principais que prejudicam a saúde mental no ambiente corporativo. A primeira delas é a alta demanda de trabalho. “As pessoas têm baixo controle sob o seu ritmo de trabalho; elas são solicitadas a várias e complexas tarefas”, disse o pesquisador. O outro aspecto são os relacionamentos interpessoais ruins, tanto verticais (com os chefes), quanto horizontais (entre os próprios colegas). A terceira razão é o desequilíbrio entre esforço e recompensa. “Você se dedica ao trabalho, mas não tem uma recompensa adequada à dedicação. A gente não fala só de dinheiro. Às vezes, um reconhecimento, um elogio ao que você está desempenhando”, explica Silvestre. O último aspecto citado pelo pesquisador é a dedicação excessiva ao trabalho, que também pode afetar a saúde mental. A pesquisa coletou dados na unidade de maior volume de atendimentos do INSS da capital paulista, a Glicério. Foram ouvidas 160 pessoas com algum tipo de transtorno mental. Silvestre informa que, entre as pessoas que pediram...

Ficar em pé por longos períodos é prejudicial à saúde do trabalhador

Rio de Janeiro/RJ – A postura inadequada no  trabalho e a falta de assento para descansar no posto de combustíveis são duas combinações que ameaçam a saúde do frentista e podem levar à morte. Ficar em pé por muito tempo traz como resultado as varizes. Assim como a intoxicação pelo benzeno, o entupimento das veias é lento e silencioso. A obstrução das veias dificultam a circulação do sangue, o transporte do oxigênio, e pode causar a embolia pulmonar. Infelizmente ainda não há na nomenclatura científica, um estudo específico voltado para os trabalhadores de postos de combustíveis. A afirmação é do   professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro(UFRJ), Claude Chambriard. Durante participação no I Seminário de Segurança e Saúde do Sul do Estado, realizado em Barra Mansa, no início do mês, Claude Chambriard, disse que apesar de o corpo se adaptar a todas as formas de trabalho é preciso tomar cuidado para que a má postura não prejudique a saúde. Segundo ele, o frentista fica muito tempo em pé e não tem hora para sentar, isso influência a diminuição do retorno do sangue venoso, que provoca a formação de varizes. Esta obstrução dificulta a circulação do sangue, principalmente nos membros inferiores. O problema pode evoluir para uma embolia pulmonar, quando este coágulo não dissolve, passa a circular pelo corpo e chega ao pulmão. Dessa forma pode ocorrer uma obstrução em uma artéria pulmonar e um quadro grave de risco à saúde. O professor lembra que a obesidade é um grande fator de risco, já que o sobrepeso dificulta o  bombeamento do sangue para o corpo inteiro. Ele orienta que as pessoas...

Estudo constata que estresse no trabalho pode levar ao derrame

Desemprego em alta, competitividade acirrada, prazos cada vez mais exíguos para cumprir tarefas complexas… As pressões diárias do mercado estão consumindo a saúde do trabalhador, dizem pesquisadores. Há tempos encontrou-se uma relação entre o estresse laboral e o aumento da incidência de males cardíacos. Agora, cientistas da Universidade Médica de Gangzhou, na China, constataram também uma forte associação com derrame, incluindo o acidente vascular cerebral (AVC). O estudo, publicado na revista Neurology, da Academia Americana de Neurologia, foi feito com dados de 138.782 pessoas que participaram de seis pesquisas epidemiológicas realizadas na Suécia, na Finlândia, no Japão e nos Estados Unidos. Ao longo de três a 17 anos, elas foram acompanhadas e seus registros médicos, coletados. Os cientistas, então, classificaram os empregos em quatro grupos, baseados no nível de controle que os trabalhadores tinham sobre suas atividades e a dificuldade que enfrentavam, como prazos apertados e desgaste mental. Horas de trabalho e demandas físicas não entraram na conta. As categorias criadas foram: trabalho passivo (baixa demanda e baixo controle, como artesãos e zeladores), baixo nível de estresse (baixa demanda e grande nível de controle, como cientistas e arquitetos), alto nível de estresse (alta demanda e pouco controle, como garçons e enfermeiros) e trabalhos ativos (alta demanda e alto controle, como médicos, professores e engenheiros). Nos seis estudos epidemiológicos avaliados, entre 11% e 27% dos participantes encaixaram-se na categoria de alto nível de estresse. Ao analisar os registros médicos dessas pessoas, os pesquisadores encontraram uma forte associação entre o estresse e a ocorrência de derrames. Aquelas que tinham baixo controle de sua atividade laboral e alta demanda apresentaram risco 22% maior...

Conheça as profissões mais e menos saudáveis

Ficar muito tempo sentado no trabalho pode ser estressante e fazer mal para a saúde. Ter uma jornada longa também faz com que você tenha pouco tempo para se exercitar ou mesmo para cozinhar coisas mais saudáveis quando estiver em casa. Essas dicas parecem óbvias, mas recentemente, a Associação Norte-Americana do Coração (AHA, na sigla em inglês) foi além e utilizou essas informações para fazer um ranking dos empregos menos saudáveis. Também foram identificados os problemas de saúde mais frequentes em diferentes setores da economia. Apesar de 88% dos voluntários pesquisados (5.566 trabalhadores,homens e mulheres) não fumarem e 78% terem nível de açúcar no sangue considerado bom, apenas 40 % “tinham uma saúde cardiovascular ótima”. Essas são as condições de saúde que a associação identificou por setores econômicos: Transporte O principal problema identificado entre motoristas de ônibus, trens e caminhões é o tabagismo. Quase um quarto dos entrevistados (22%) eram fumantes. Isso faz com que tenham um risco maior de sofrerem doenças cardíacas ou até um AVC. Secretarias e cargos administrativos São funções exercidas exclusivamente em escritórios, onde muitos sequer se levantam para comer. Isso faz com que 68% desses trabalhadores tenham hábitos alimentares pouco saudáveis. Além disso, 69% deles têm colesterol alto e só 82% realizam atividades físicas regularmente. Indústria alimentícia Apesar de trabalhar produzindo alimentos ou servindo refeições, as pessoas que atuam nesse setor são os que têm a pior dieta. Mais de três quartos dos que participaram do estudo (79%) têm maus hábitos alimentares. Serviços de segurança Entre os policiais, bombeiros e outros profissionais de segurança que fizeram parte da pesquisa, 90% são propensos a ter sobrepeso ou...